fbpx
Dicas

Dolce Vita: açúcar faz mal?

Pela primeira vez, os pesquisadores resolveram encarar de frente o excesso de açúcar refinado na alimentação cotidiana como um problema de saúde pública tão grave como o uso de drogas. Dá uma olhada no que diz o chefe do Serviço de Saúde de Amsterdã, Paul van der Velpen: “o açúcar é a droga mais perigosa do nosso tempo.”

Ele diz ainda que o açúcar refinado, ou qualquer produto alimentício açucarado, deveria vir com um alerta, como nos maços de cigarro, porque o açúcar é viciante, altamente prejudicial à saúde, e tão difícil de largar como o cigarro. Será que isso é exagero?

O açúcar causa aquela quase imediata sensação de bem-estar, que é reconfortante, sim, é verdade! Mas também não causa saciedade! Não é com um quadradinho de chocolate que você vai se sentir mais feliz! E mais, essa sensação é fruto de uma reação química que o açúcar causa no seu corpo, mas que passa rapidinho. Logo, você pode querer mais. E atenção, quando falamos de açúcar, não é só de docinhos… sabe aquela bisnaguinha macia e fofinha, aparentemente inofensiva que você come com margarina e café? Pois é, também tem bastante açúcar ali!

Por isso, sou super a favor de que os produtos alimentícios industrializados informem os consumidores de tudo que vai dentro da embalagem, e acho importante que as pessoas se conscientizem sobre os possíveis problemas que o consumo exagerado de açúcar pode causar (#poenorotulo).

Mas nada de radicalismos, a gente sabe que é difícil cortar completamente o açúcar da nossa vida, a não ser que seja realmente necessário (como é o caso de quem tem diabetes).

O açúcar faz mal?

De acordo com as recomendações da Associação do Coração dos Estados Unidos, a quantidade máxima de açúcar ingerido, por dia, por uma mulher deveria ser 25 gramas, e por homens 37,5 gramas. Mas sabe quanto de açúcar tem naquela Coca-Cola que você tomou ontem à noite? Pois é… soma a isso o açúcar do cafezinho, o açúcar da bolachinha, o açúcar da balinha, do suco de caixinha, do pedacinho de pudim, e por aí vai!

Que o consumo de açúcar vem crescendo nas últimas décadas pode não ser uma novidade, mas o fato é que muitas vezes ingerimos açúcar sem nem nos dar conta! Isso porque o consumo de produtos alimentícios industrializados também cresceu, e este fato tem a ver com a economia e o poder de compra. É mesmo uma questão contextual. Já não vemos frutarias e verdurões em toda esquina, como antigamente! (Lembra quando a sua mãe falava: vai ali na esquina comprar tomate e banana?!) Hoje, fazemos as nossas compras no supermercado… O império dos produtos industrializados, que tem açúcar onde você menos imagina…

O açúcar refinado pode estar na base de uma série de doenças, como a obesidade, hipertensão, doenças cardiovasculares, resistência insulínica, aumento de cáries… Por isso, é tão importante ler os rótulos das embalagens e fazer trocas inteligentes na alimentação e até mais econômicas. Por que em vez de levar aquele suco de caixinha, na hora das compras, você não leva a fruta para comer de sobremesa depois do almoço ou jantar?!

É importante para a sua saúde repensar o consumo de açúcar no seu cotidiano. Há medidas simples que você pode tomar para ir diminuindo, como:

  • Não adoçar sucos de frutas naturais, e melhor ainda, trocar os sucos pela própria fruta!
  • Diminuir aos poucos a quantidade de açúcar no café, no chá, etc, até o seu paladar se acostumar ao sabor real dos alimentos;
  • Trocar o açúcar refinado branco por açúcar mascavo ou mel, por exemplo (mas também usar com moderação);
  • Evitar, sempre que possível, comida industrializada. Prefira alimentos orgânicos e integrais, e #comacomida de verdade 😉
  • Volte para a feira! É lá que está a comida de verdade 🙂

E lembre-se, a palavra-chave é moderação! A comida pode ser emocional, mas o consumo racional 😉

Beijos,
Carol

Previous Post Next Post