fbpx
Dicas, Projeto Verão Pra Vida Toda

Os aditivos e seus efeitos no organismo

Você está no supermercado, toda focada no #projetoveraopravidatoda e dá de cara com aqueles ingredientes indecifráveis nos rótulos. Mas, afinal, o que são aqueles nomes que aparecem nas embalagens e o que causam no seu organismo?

A alimentação convencional, infelizmente, foi se tornando artificializada. A comida que compramos diariamente nos supermercados, em geral, está repleta de corantes químicos, aromatizantes e outros ingredientes aos quais tem se atribuído a causa de grande número de enfermidades. Dificilmente, sabe-se identificar quais são estes aditivos e os seus efeitos no  nosso organismo. Para lhe ajudar nesta tarefa de tentar identificar o que vem na comida que você encontra no supermercado, apresentamos alguns dos aditivos alimentares mais comuns que aparecem nos rótulos das embalagens e os danos que frequentemente são a eles associados.

Só gostaria de ressaltar que o intuito não é, de modo algum, fazer terrorismo nutricional! O nosso objetivo é informar e ajudar as pessoas a saberem o que estão escolhendo comer. Levamos sempre em consideração a individualidade bioquímica de cada um, o estilo de vida, o histórico, etc… A gente sabe que há uma série de fatores que interferem no impacto de determinado alimento na saúde de alguém, a coisa não é assim preto no branco. Tem gente que pode passar a vida toda comendo doces e doces e nunca ter diabetes, por exemplo. Mas a questão não é “apenas” essa. A gente quer viver muita saúde, bem estar e alegria, não quer “só evitar doenças crônicas e agudas. A gente quer fazer o melhor por nós, pelo nosso corpo, pelas nossas famílias, e pelo planeta onde vivemos.

O que você vê nos rótulos das embalagens

Antioxidantes
– Ácido fosfórico (H.III): aumento da ocorrência de cálculos renais.
– Ácido nordihidroguairético (AIV): interferência nas enzimas do metabolismo das gorduras.
– Butil-hidroxianisol BHA (AV); Butil-Hidroxitolueno BHT (AVI): ação tóxica sobre o fígado, interfere na reprodução de cobaias de laboratório.
– Fosfolipídios (AVIII): acréscimo do colesterol sangüíneo.
– Gelato de propila ou de octila (AIX): reações alérgicas, interfere na reprodução de animais de laboratório.
– Etilenodiaminote tetracetato de cálcio e dissódico EDTA (AXII): descalcificação e redução da absorção de ferro.

Antiumectantes
– Ferrociante de sódio, cálcio ou potássio (AU.VI): intoxicação dos rins.

Corantes
– Todos (CI) (CII): reações alérgicas, alguns possuem ações tóxicas sobre o feto ou são teratogênicos, ou seja, podem fazer nascer crianças-monstros; anemia hemolítica; o caramelo, quando preparado de modo inadequado, pode conter substâncias capazes de causar convulsões.

Conservadores
– Ácido Benzóico (PI): alergias, distúrbios gastrintestinais.
– Esteres do ácido hidroxibenzóico (P 111): dermatite; redução de atividade motora.
– Dióxido de enxofre e derivados (PV): redução do nível de vitaminas B1 nos alimentos; aumenta a frequência de mutações genéticas em animais de laboratório.
– Antibióticos (oxitetraciclina, clorestetraciclina e outros) (PVI): desenvolvimento de raças de bactérias resistentes aos antibióticos; reação de hiper- sensibilidade.

Edulcorantes
– Sacarina (DI): causa câncer na bexiga de animais de laboratório.

Espessantes
– Em geral: irritação da mucosa intestinal; ação laxante.

Estabilizantes
– Polifosfatos (ET XV ET XI XVIII): elevação da ocorrência de cálculos renais; distúrbios gastrintestinais.

Acidulantes
– Ácido acético em geral: cirrose hepática, descalcificação dos dentes e dos ossos.

Aromatizantes
– Em geral: alergia; retardam o crescimento e produzem câncer em animais de laboratório.

Umectantes
– Dioctil sulfossuccinato de sódio (U 111): distúrbios gastrintestinais circulação pulmonar.

Principais alimentos que contêm aditivos relacionados a reações adversas

Corantes
Refrescos, refrigerantes, iogurtes, leites aromatizados e fermentados, gelatinas, pós para pudim e similares, sorvetes, chocolates, bolachas recheadas, balas, chicletes e pó para sucos.

Sulfitos (PV)
Refrescos (prontos e em pó), refrigerantes, xaropes para refrigerantes e refrescos e embutidos.

Glutamato Monossódico
Temperos prontos, caldo de carne e galinha, patês, salgadinhos, bolachas aromatizadas, alimentos prontos resfriados.

Antioxidantes (Butil hidroxianisol – AV, Butil hidroxitolueno – AVI)
Manteigas, creme vegetal e margarinas, coco ralado, leite de coco, óleos e gorduras, produtos de cacau, produtos desidratados de batata.

*FONTE: Relatório Orion – PUBLICADO POR: Transformação – Janeiro de 1992 – Uma publicação mensal da Visão Mundial e da Missão Editora.
Previous Post Next Post