fbpx
Dicas

Por que não usar adoçante – e o que usar no lugar do adoçante artificial

O uso de adoçante é muito comum quando as pessoas pensam em “cortar açúcar” da dieta. Resolvi desenvolver o tema por aqui, esclarecendo porque recomendo não usar adoçantes artificiais e aproveito para sugerir algumas alternativas para uma doçura mais segura.

Porque não usar adoçante

Grosso modo, sou contra usar adoçante primeiro porque é ruim mesmo, modifica os sabores das preparações. Acho de verdade, um desrespeito com os alimentos. Imagine uma manga, maravilhosa, orgânica, na safra, ou seja, que oferece o máximo de sabor e suculência. Imaginou? Vamos supor que você resolva não comê-la ao natural (o que, diga-se de passagem, acho um desperdício), mas fazer um suco. E aí, pah, adiciona um adoçante desses horrorosos. Pronto: acabou com a manga. Se é para comer que seja de forma inteligente, que seja gostoso, que dê prazer.

Os outros motivos pelos quais eu não curto adoçantes (e logo não compartilho, rs) é porque diversas pesquisas já concluíram que esses produtos alimentícios têm efeitos nocivos sobre a saúde.

Em primeiro lugar, a quantidade que você usa provavelmente é maior do que a que usava algum tempo atrás. Ou seja, você está ingerindo cada vez mais aditivos sem perceber e isso já faz um mal danado. Substâncias que a gente não metaboliza, leia-se toxinas, vão inundando nosso corpo. Bom de jeito nenhum, né? (Nota mental: coma comida!)

Esses adoçantes estão relacionados sim a alguns tipos de câncer, doenças degenerativas, problemas renais, alterações no funcionamento da tireoide, Alzheimer e Parkinson e por aí vai. Tá bom ou quer mais?

E antes que comece a “perguntação” que já rolou lá no insta, os que utilizo são apenas os que citei. Não curto sucralose, pois ela possui cloro em sua composição o que pode alterar o funcionamento da tireoide. Xarope de agave também não é legal, apesar de ser “natural”. O seu método de extração é agressivo e pode ser tóxico. No caso do agave vale a lógica dos óleos, quanto mais simples a extração, melhor. Tenta aí plantar um cacto e tirar mel dele… Han? rsrsrs

O que usar no lugar do adoçante? 

O que fazer, então? Em primeiro lugar, sempre é melhor utilizar um pouquinho do bom adoçante apenas quando precisar e ir se acostumando com o mínimo até encontrar prazer no sabor natural dos alimentos. Em segundo, usar um dos cinco nessas ocasiões. Um pouco sobre cada um:

Mel
Uma lindeza produzida a partir do néctar recolhido das flores e processado pelas enzimas digestivas das abelhas. O mel adoça e contém proteínas, sais minerais e vitaminas, além de propriedades medicinais como a ação antibacteriana. Mel é um alimento terapeutico e por isso deve ser usado com parcimônia e sempre que possível ir rodiziando os tipos de floradas.

Rapadura e açúcar mascavo
Ela é o produto final da cana-de-açúcar após os processos de moagem, fervura do caldo, moldagem e secagem. Também tem alto valor nutritivo, com vitaminas, minerais e proteínas. Já o açúcar mascavo é extraído da cana-de-açúcar depois do processo de cozimento e antes de refinar. Confio mais na rapadura ralada, do que na qualidade, muitas vezes questionável, dos açúcares disponíveis no mercado.

Melado de cana
O líquido escuro é extraído da cana-de-açúcar e contém sais minerais como ferro, cálcio, potássio e fósforo, entre outros. Além de alimento, no interior ele é usado para auxiliar na melhora dos quadros de anemia e prisão de ventre.

Açúcar de coco
Produzido a partir da seiva dos botões das flores de coco. Experimentei recentemente e gostei muito.

Beijinhos,
Carol!

Previous Post Next Post